Alimentos puxam avanço do IPCA na RMBH

Por: Juliana Siqueira

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apresentou um aumento de 0,76% na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), puxado pelo grupo alimentação e bebidas (3,02%), na comparação do mês de setembro com o mês de agosto. Já na variação acumulada em 12 meses, o incremento foi de 3,04%. Os dados foram divulgados na sexta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Dentro do grupo alimentação e bebidas, que gerou um impacto de 0,61 pontos percentuais (p.p.) no índice geral do mês de setembro, o subgrupo alimentação no domicílio foi o que teve o maior destaque (3,86%). Os subitens arroz (18,06%), leite longa vida (7,85%) e óleo de soja (23,72%) foram os que apresentaram os impactos mais representativos no índice geral (0,12 p.p., 0,07 p.p. e 0,07 p.p., respectivamente).

“Esses produtos são bens que têm um mercado de exportação grande. Com o aumento do dólar, muitos produtores preferem exportar do que vender para o mercado interno. Isso faz com que os produtos fiquem mais raros internamente”, destaca a analista do IBGE, Luciene Longo.

Além da redução da oferta, afirma ela, houve também o aumento da demanda, impulsionado por fatores como o auxílio emergencial – medida do governo federal durante a pandemia de Covid-19 para as pessoas de menor ou nenhuma renda.

Mais dados – A pesquisa do IBGE também mostra que os artigos para residência apresentaram um aumento de 1,70% em setembro na comparação com agosto. Os subitens que mais apresentaram avanços foram colchão (6,43%) e computador pessoal (3,36%), embora não tenham provocado grandes impactos no índice geral, por não contarem com um peso representativo.

Segundo Luciene Longo, o aumento dos preços desses itens pode estar relacionado à pandemia de Covid-19 e ao fato de as pessoas estarem em casa por um período maior de tempo.

Já o grupo transportes apresentou um incremento de 0,98%, com os maiores avanços nos subitens gasolina (3,06%), etanol (3,03%) e óleo diesel (2,80%). A gasolina, pelo grande peso que tem, foi a responsável pelo maior impacto individual no índice (0,16 p.p.).

Conforme destaca Luciene Longo, no início da pandemia, houve uma queda bem forte desses itens. Agora, os aumentos coincidem com o momento de flexibilização das medidas de isolamento social.

Ainda apresentaram incremento no mês de setembro em relação ao mês de agosto os grupos comunicação (0,27%), despesas pessoais (0,05%), vestuário (0,02%) e educação (0,01%).

Quedas – Por outro lado, quando o assunto é deflação, dois grupos apresentaram a diminuição nos números: saúde e cuidados pessoais (-0,65%), com a principal queda em plano de saúde (-2,31%), e habitação (-0,28%), com retração de 1,76% na energia elétrica residencial. Plano de saúde e energia elétrica residencial, inclusive, foram os responsáveis pelos maiores impactos negativos no índice geral, respectivamente de -0,10 p.p. e -0,08 p.p.

IPCA TEM A TAXA MAIS ALTA DESDE 2003 NO PAÍS

Brasília – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve em setembro a maior alta para o mês desde 2003, de 0,64%, pressionado pelo aumento dos preços de alimentos, informou na sexta-feira (9) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que associou o movimento ao pagamento do auxílio emergencial e à elevação das exportações de alguns produtos.

No acumulado de 12 meses até setembro, o IPCA acumulou alta de 3,14%, frente a 2,44% nos 12 meses até agosto.

A inflação do mês veio acima das expectativas de analistas, que previam aumento de 0,54% em setembro sobre agosto e de 3,03% em 12 meses.

Segundo o IBGE, tanto a maior variação quanto o maior impacto no índice no mês vieram do grupo alimentação e bebidas, que registrou aumento de 2,28%, após subir 0,78% em agosto. Essa aceleração decorreu principalmente da alta de 2,89% apontada nos alimentos para consumo em domicílio, com destaque para óleo de soja (+27,54%), arroz (+17,98%), tomate (11,72%) e leite longa vida (+6,01%).

“A gente tem o auxílio emergencial pressionando os preços dos alimentos, assim como o câmbio, que estimula exportações e restringe a oferta doméstica”, afirmou o gerente da pesquisa do IBGE, Pedro Kislanov, a jornalistas, destacando maiores vendas externas de óleo, arroz e carnes.

Para combater o impacto econômico da pandemia de Covid-19, o governo tem pagado um auxílio emergencial – no valor de R$ 600 de abril a agosto e de R$ 300 de setembro a dezembro – a milhões de brasileiros.

Outros grupos que tiveram altas relevantes de preços dentro do IPCA foram artigos de residência (+1%) – que inclui televisores e mobiliário -, transportes (+0,70%) e habitação (+0,37%).

O único dos nove grupos monitorados que apresentou queda expressiva foi o de saúde e cuidados pessoais (-0,64%). O grupo educação oscilou 0,09% para baixo.

Serviços – O IBGE informou que os preços dos serviços voltaram a subir em setembro, em 0,17%, pela primeira vez desde abril. Em meio à flexibilização de medidas de restrição à movimentação impostas em meio à pandemia, foram registradas altas nos preços de alimentação fora de casa (+0,82%). Passagens aéreas, pacotes turísticos e aluguel de veículos também ficaram mais caros no mês.

“Não dá para falar em pressão de serviços, o que dá para dizer é que há uma mudança na trajetória”, afirmou Kislanov.

Em agosto, o IPCA havia subido 0,24%. Em setembro de 2003, o acréscimo fora de 0,78%.

Apesar da alta recente, a inflação em 12 meses segue abaixo da meta do Banco Central para 2020, que é de 4%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

No mês passado, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que a autoridade monetária estava tranquila com o cenário inflacionário, entendendo que a pressão neste ano não deveria contaminar as inflações futuras.

Em seu último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), publicado em 24 de setembro, o BC indicou que esperava alta nos preços livres nos meses à frente, com pressão sobre o preço de alimentos e reversão da queda em serviços. (Reuters)

Jornal Diário do Comércio | 13 de outubro de 2020

 

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.