Não tem como as empresas darem mais cota de sacrifício, diz vice-presidente da ACMinas

Por: Maria Amélia Ávila

Em Minas Gerais, quase 20% dos cerca de 120 mil funcionários dos setores de comércio e serviços perderam o emprego, impacto direto da pandemia na economia do Estado com as medidas restritivas para tentar conter o avanço da Covid-19.

Vice-presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas Gerais (ACMinas), Marcos Brafman afirma que a situação é muito complicada já que 70% das empresas estão com sérios endividamentos e 60% com dificuldade de manter o negócio.
Com as medidas restritivas, que proibiram o funcionamento de comércio e do setor de serviços, os empresários não têm fluxo de caixa e capital de giro para ficar tanto tempo sem abrir as portas. “Não tem como as empresas darem mais cota de sacrifício”, explica.

Marcos Brafman acredita que há um atraso do governo federal em renovar algumas políticas adotadas no ano passado, como a Lei do Bem, um instrumento para manutenção das áreas de inovação e dos empregos, a redução da jornada de trabalho, e a revisão de impostos. “Só com essas medidas nós não teremos um 2021 perdido”, conclui o vice-presidente da ACMinas.

Acompanhe a entrevista na íntegra.

Jornal Hoje em Dia | Primeiro Plano | 07/04/2021

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.