Conselho debate a retomada do turismo mineiro

“Nós temos Conselhos proativos” afirmou o presidente da ACMinas, José Anchieta ao dar início a primeira reunião do Conselho Empresarial de Turismo. Para ele, o Conselho “é de absoluta transversalidade, e, isto é perceptível por suas iniciativas e discurso do seu presidente”.

O presidente disse ser apenas mais um soldado, que junto ao coletivo espera realizar muitas tarefas em prol do associado. Na ocasião foi apresentado aos conselheiros e convidados, a nota oficial da ACMinas que defende o avanço por meio de propostas que buscam pelo apoio das autoridades para a retomada do comércio. O presidente da ACMinas aproveitou o momento para repassar sobre a reunião que teve com o prefeito da cidade de Belo Horizonte, Alexandre Kalil.

Octávio Elísio, presidente do Conselho Empresarial de Turismo, comunicou na ocasião que têm estudado sobre o Estado, o direito, a sociedade e a pandemia. “Nós não temos no Brasil uma legislação adequada que garanta saneamento básico para todos os brasileiros. Este é um problema sério. E nesse processo de pandemia, isso ficou ainda mais evidente. O desafio que temos pela frente é avançar em busca desse direito” concluiu o presidente.

Parceria entre Conselhos

O Conselho Empresarial de Relações Internacionais e o Conselho Empresarial de Turismo planejam para 2021 uma parceria a fim de tornar o estado de Minas Gerais mais atrativo para o turismo.

Como convidado, o presidente do Conselho Empresarial de Relações Internacionais, Silvio Nazaré, apresentou o Minas Guide e lembrou da sua importância para tratar do turismo em Minas. “Desde o início de 2020 estamos planejando esforços conjuntos de nossos Conselhos, veio a pandemia e precisamos adiar este encontro” disse. O objetivo, segundo ele, é dinamizar o turismo tendo em vista a relevância do setor e a capacidade de atração turística.

“Com a pandemia, o setor foi afetado, assim como todas as necessidades básicas para o desenvolvimento da economia do país”. Para o presidente de Relações Internacionais, a parceria terá como resultado o privilégio da promoção do Estado como principal referência em turismo.

Novo cenário da Aviação Civil

Camila Drumond representando a BH Airport, apresentou durante a primeira reunião do Conselho de Turismo o cenário pré e pós Covid-19 de Aviação Civil. “Temos mudanças significativas, até mesmo na legislação. Afetando o mercado de Aviação Civil, envolvendo viagens de turismo à negócios”.

Segundo a representante da BH Airport, em 2019 o cenário era de muito crescimento acima do mercado em relação às rotas, origens e destinos. Um desenvolvimento promissor. “A pandemia veio como banho de água fria e impactou severamente” concluiu. Em panorama geral, no ano de 2020 ocorreu um impacto brutal, era esperado pela BH Airport o receber 12 milhões de passageiros e o resultado final foi de aproximadamente 5 milhões de passageiros.

“As viagens a negócio, vão cair significativamente. Antes as pessoas estavam acostumadas a conversar pessoalmente e acreditava-se que a conversa presencial resolveria os negócios. Agora, verificamos que o comportamento é o inverso. Viagem a negócios será uma exceção” disse Camila Drummond. Segundo ela, o turismo nacional e internacional ainda segue comprometido.

ATA – Conselho_de_Turismo_21_01_21

Compartilhe

Receba novidades por email

Assine nosso informativo

Não enviamos Span, apenas as última novidades.

Mais Lidos

Veja mais: