Iª Reunião do Conselho Empresarial de Infraestrutura e Logística da ACMinas- Ata

REUNIÃO DO CONSELHO EMPRESARIAL DE INFRAESTRUTRA E LOGÍSTICA DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE MINAS, REALIZADA NO DIA 25 DE JANEIRO DE 2022, ÀS 16H00 VIA APLICATIVO ZOOM.

PARTICIPARAM: o Presidente da ACMinas, José Anchieta da Silva; os Vice-Presidentes, José Epiphânio Camillo dos Santos e Marcos Brafman, Coordenador dos Conselhos Empresariais da entidade; o Presidente do Conselho Empresarial de Infraestrutura e Logística, Luiz Antônio Athayde Vasconcelos; e os conselheiros e convidados: Antônio Ribeiro, Carlos Muzzi, Gustavo Palhares, Jorge Carlos Borges de Souza, Kleber Meira, Leonardo Junqueira Jr, Ramon Victor Cézar, Ricardo Diniz, Roberto Judice de Mesquita,  Sergio Frade e Silvio Antônio Soares Nazaré.

Abertura: o Presidente da ACMinas, José Anchieta da Silva iniciou desejando boas vindas a todos e fazendo um agradecimento especial ao Luiz Antônio Athayde, por aceitar o convite para presidir o conselho.  Escolha feita a dedo, disse ele. “Este conselho fazia falta em uma entidade associativa com 121 anos, caminhando para os seus 122 anos. E com tantos serviços prestados e este Brasil com tanta coisa para realizar, não poderia ficar sem este conselho, que já nasceu adulto, com grandíssimos nomes, selecionados a dedo pelo Athayde e ele próprio aceitando presidir o Conselho. Este ano de 2022 promete e temos muitas tarefas para desempenhar. E já começamos com alguns desafios. Sob a presidência do Athayde e sob a orientação do grupo que aqui está, a ACMinas pretende assumir uma posição sobre o Rodoanel, sobre o Aeroporto Carlos Prates e sobre o espaço do Belvedere, por isso a importância desse Conselho”.

Presidente do Conselho Empresarial de Infraestrutura e Logística, Luiz Antônio Athayde Vasconcelos: agradeceu as palavras do Presidente José Anchieta e disse que participar do Conselho e desse tempo novo da Associação Comercial é uma oportunidade ímpar. E como bem disse o presidente, é uma oportunidade da ACMinas ter uma participação mais ativa no setor de infraestrutura e logística.

Coordenador dos Conselhos Empresariais, Marcos Brafman, Vice-Presidente da ACMinas: Iniciou cumprimentando o Presidente José Anchieta, agradecendo o incentivo e prestígio que ele traz aos Conselhos Empresariais, sempre presente às reuniões. Cumprimentou o Presidente do Conselho que agora assumi, Luiz Antônio Athayde, profissional de sucesso, com experiência executiva e profundo conhecedor dos temas que serão abordados pelo Conselho. “Tenho certeza de que ele fará um trabalho excepcional e desde já muito obrigado pela generosidade de trabalhar voluntariamente pela nossa ACMinas. Da mesma forma agradeço ao Vice-Presidente do Conselho, Gustavo Palhares. Cumprimento também os conselheiros, como disse o Presidente, profissionais de altíssimo gabarito, que prontamente aceitaram o convite do Athayde. Muito obrigado a todos vocês!” Em seguida agradeceu aos colaboradores presentes, Maxuel e a Secretária do Conselho, Juliane. “O Conselho de Infraestrutura e Logística faz parte dos 18 conselhos que compõem a entidade e são presididos por uma equipe de líderes extraordinários. Coordenam cerca de 600 especialistas, pessoas experientes, generosas, que, com seu trabalho voluntário contribuem para impactar o dia a dia e o futuro das empresas, examinando questões de interesse dos nossos associados e do empresariado em geral”. E convidou a todos a conhecerem os conselhos, através do site da ACMinas, www.acminas.com.br, onde cada conselho possui um blog, para divulgação das atas das reuniões, dos vídeos, artigos que são escritos por membros dos conselhos ou publicados na grande mídia”. E encerrando disse que na gestão do Presidente José Anchieta, ele reforçou o papel estratégico dos Conselhos Empresariais e esse conselho pode ser um importante agente transformador da nossa realidade, tão carente de soluções urgentes e renovadoras nos setores de infraestrutura e logística. E o momento é muito propício para a união de esforços pelo setor público e privado. Lembrou que é a partir do empreendedorismo privado, que vem o progresso e o desenvolvimento para uma consequente melhoria da qualidade de vida das pessoas. E desejou sucesso a todos!

Em seguida, o Presidente do Conselho, Luiz Antônio Athayde antes de pedir aos conselheiros que se apresentassem, disse que está muito inspirado, muito inquieto e com uma vontade de ter através da ACMinas e com a contribuição de todos dar menção a que se possa falar de desenvolvimento sustentável nesta terceira década do século XXI, quando as instituições e entidades de classe elas tem um papel tem um enorme relevância na viabilização e na concepção daquilo que seja o principal dentro de uma agenda de desenvolvimento sustentável e que tenha a capacidade de mobilizar a sociedade civil. Antes de começar a falar sobre a pauta, pediu que todos se apresentassem. São eles:

Roberto Judice de Mesquita, diretor de Infraestrutura da EPO Engenharia e opera na área de loteamentos e empreendimentos para o setor logístico.

Ramon Victor César, atualmente é professor associado e pesquisador da Fundação Dom Cabral, mais precisamente na plataforma de infraestrutura e logística e recentemente atuou no setor público à frente da BHTrans.

Leonardo Ribeiro Cunha sua experiência em logística foi no Grupo Usifast, onde foi diretor de desenvolvimento, onde teve uma experiência muito grande com Estação Aduaneira de Betim. Atualmente é empresário e hoje assessora a Presidência da Prodemge e sua missão lá é a criação da primeira Agência de Desenvolvimento de Belo Horizonte, com o Investe BH. Esse projeto deve entrar agora em vigor e eu devo ser um dos coordenadores. E alguns projetos citados pelo Presidente já estão no seu radar, como prioridade.

Mônica Cordeiro hoje é responsável pelo capítulo de Minas pela Governança Coorporativa. Sua trajetória foi como executiva da Cemig durante muitos anos. Esteve no Governo também na época da Secretária Dorothéa Werneck, depois foi presidente do INDI trabalhando na área de atração de investimentos. E na ACMinas, já tem 7 anos colaborando na área internacional, com o Internacionaliza BH, com o Minas Guide.

Antônio Ribeiro é administrador de empresas, e no inicio de sua carreira trabalho no governo do Estado de Minas Gerais, na Secretaria de Segurança Pública e hoje tem uma empresa de consultoria voltada para gestão de estruturação de empresa e de negócios.

Kleber Meira, presidente do BH Airport, que foi reconhecido recentemente como o aeroporto de melhor operação entre os grandes aeroportos do Brasil, e tem como missão fazer do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, o mais inovador e mais sustentável. Esse é o nosso trabalho, ter aqui o melhor aeroporto e mais inovador.

Ronaldo Ribeiro Silva é Diretor Administrativo e Financeiro da Líder Taxi Aéreo.

Ricardo Diniz é contador e advogado e tem mais de 20 anos de atuação na área de telecomunicação e falou de sua preocupação com a chegada do 5G. Para ele Minas ainda não está preparada o 5 G. E sugeriu esta pauta, porque a logística e a infraestrutura não funcionam sem o 4 ou 5 G. E para ele a nossa capital está muito atrasada neste cenário.

Marcelo Dias atua em logística na área de transporte de caminhão, desde 1992.

Onofre Junqueira Jr. Atualmente é da diretoria da ACMinas, participa do Conselho Empresarial de Assuntos Jurídicos e trabalha na área de contenciosos com projetos na área de dos aeroportos, de energia, telecomunicação e saneamento. O que não dá certo, o que vira disputa, infelizmente é no que atuamos.

Sílvio Antônio Soares Nazaré é engenheiro com pós graduação em comércio exterior. Trabalhou como engenheiro na Rodovia Presidente Dutra, para Eletro Norte e para Centrais Elétricas de Goiás. E depois passou a atuar na área de comércio internacional e teve oportunidade de presidir por bastante tempo o Conselho de Relações Internacionais da ACMinas, e durante este período colaborou para criação do Minas Guide.

Gustavo Palhares da Houer, consultoria mineira que atua na área de infraestrutura e concessões. Já atua com projetos em mais de 20 estados do país, nasceu no Governo de Minas e por incrível que pareça, disse ele, o estado com que eles menos trabalham é com Minas Gerais.

Na ocasião o Presidente do Conselho, Luiz Athayde informou que o Gustavo irá atuar como Vice-Presidente do Conselho.

Carlos Muzzi é engenheiro e tem uma empresa de locação de equipamentos para Construção Civil.

Tiago Toscano foi Presidente do INDI e hoje está como Presidente da Prodemge.

O Vice-Presidente José Epiphânio Camillo dos Santos e os presidentes de Conselhos, Jorge Carlos Borges de Souza e Sérgio Frade também participaram da reunião e deram as boas vindas aos conselheiros e se colocaram à disposição.

O Presidente do Conselho, Luiz Antônio Athayde disse que está convencido das escolhas dos projetos, sejam voltadas para a construção do consenso de projetos codificadores da realidade estruturantes, mas que se chegue na exata medida de que, os projetos escolhidos, serão estruturadores para economia do Estado e onde possa trazer mais produtividade. “Estou convencido de que essa contribuição de forma gratuita e generosa, pode ajudar a criar uma agenda, sem prejudicar ou perturbar a agenda de todos, na construção de um concesso daquilo que possa levar a Associação Comercial a se posicionar junto as esferas de governo e de alguma forma desconectar de uma realidade de uma aparente neutralidade diante de uma situação que até então, as entidades não se moviam com iniciativas como esta, imaginando que os governos dariam conta desta agenda. Primeiro eles não dão conta. Segundo, a questão da sustentabilidade e desenvolvimento, requer ao mesmo tempo assertividade e serenidade. E o território de Minas Gerais é extraordinariamente grande. E de certa forma isso nunca contribuiu muito para Minas Gerais, para definir o foco daquilo que deveria acontecer.  E a agenda política fazia muitas vezes com que tivéssemos retalhos de projetos. E não projetos que viessem a causar um impacto real. Nós teremos que falar e ajudar a criar uma agenda previsível de implementação. Nós precisamos de uma agenda que mostre o efeito que isso tem. O contorno metropolitano associado ao Aeroporto Internacional de Minas Gerais é a Cemig do século XXI. A combinação desses dois ativos juntos funcionando fica uma coisa única na região sudeste do Brasil. Toda a franja em torno disso não foi ocupado irracionalmente. Isso vale milhares de empregos. Para ser preciso 565 mil empregos nos seus 64 km. Essa combinação irá fazer com que a região metropolitana seja a região mais bem distribuída e balanceada. E a segunda colocação é que não se fala de racionalidade do futuro se não falar do presente. É no presente que as coisas acontecem”. E propôs aos conselheiros elencar os 10 projetos de infraestrutura de maior efeito transformador para economia de Minas Gerais. Para isso deverão levar em consideração:

1 –Levantar os processos de decantação, quais são estes projetos que tem esse efeito. Dentro disso, definir as vertentes e sublinhar os projetos estruturadores.

2- Levar em consideração a economia regional

3- É importante ressaltar o projeto, sua criação, seu valor, seu impacto no território, o efeito que ele trará. Isso traz uma leitura saudável, disse ele.

Na ocasião foram citadas as seguintes vertentes: acesso do centro da capital ao Aeroporto Internacional; contorno metropolitano; e ocupação do solo, da terra; alça leste saindo de Itabirito e outra alça leste mais urbana; Aeroporto de Montes Claros e Uberlândia como atração de empresas; planejamento de infraestrutura digital e de telecomunicação; e um planejamento de desenvolvimento de Infraestrutura para o Estado. A ACMinas ser a patrocinadora de um processo de deixar um legado de infraestrutura para o estado. Convidar alguém para falar sobre o Aeroporto da Pampulha.

O Presidente do Conselho, Luiz Antônio Athayde informou que dentro da agenda de trabalho estão previstas 12 reuniões ao longo do ano, fora as reuniões extraordinária. Duas delas sugeridas são: Convidar o Secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato para apresentar o calendário do que é o contorno metropolitano e essas fases durante uma reunião plenária da diretoria e dos associados, sobre a coordenação do Conselho. E não deixar de perguntar, quais os outros projetos estruturadores para o governo do estado. E posteriormente, após a apresentação do Secretário Fernando Marcato, marcar outra reunião extraordinária para que o Presidente do BH Airport e conselheiro, Kleber Meira, fale sobre o que isso traz de contribuição de logística.

Finalizando, o Presidente Luiz Antônio Athayde disse que o conselho é de infraestrutura e logística e através dessas espinhas dorsais que estão sendo colocadas, iremos ver os efeitos que virão a partir do momento que forem apresentados. A encomenda é fazer com que Belo Horizonte se torne a rota principal da logística, seja por avião, trem ou estrada. E isso mudará a economia. E mostrar o que isso irá nos trazer, como: maior noção previsibilidade, mobilização e colocar a dinâmica da economia privada a serviço.

Presidente da ACMinas, José Anchieta da Silva parabenizou o Presidente do Conselho, Luiz Antônio Athayde pela excelente reunião que preencheu todas as expectativas. E deu a notícia em primeira mão, que a ACMinas irá entrar no Supremo Tribunal Federal com Amicus cúria em uma ação que lá tramita contra os 4.7, 5.2, 5.9 bilhões de reais que se reservou no orçamento para dar a candidatos a deputados, senadores, governador e presidente. “Isso não é só inconstitucional. É um deboche coletivo de dois poderes da república, executivo e legislativo, em um orçamento que reserva apenas uns trocados para a infraestrutura. Em um orçamento que corta verba da educação. A ACMinas cumprimento o seu papel estatutário vai entrar com a Amicus Cúria. O Brasil vai demorar um pouco mais para dar certo. Mas, não será por falta de ação do mundo empresarial. A ACMinas cumpre seu papel e se expõe na medida em que deve se expor. Para que essa excrescência da inconstitucionalidade não vingue”.

Coordenador dos Conselhos Empresariais, Marcos Brafman disse que acredita que a sociedade civil pode transformar a realidade. Acredita no papel da ACMinas nisso com a sua reputação. E ressaltou o absurdo de haver mais recursos para campanhas eleitorais do que para a infraestrutura do país. E por isso a importância de tornar as reuniões dos Conselhos um fórum para debater e ouvir os agentes privado que podem estar envolvidos na discussão. E em um segundo momento cobrar os resultados. E falou do privilégio de participar de uma reunião do nível desse. E colocou o setor de comunicação da ACMinas à disposição do Conselho para publicar artigos e publicar nas mídias sociais,  informações de confiança.

Vice-Presidente José Epiphânio Camillo dos Santos pediu a palavra para fazer um registro sobre a fala do Presidente Luiz Athayde. “Precisamos descobrir a pegada”. E tradução isso para seu setor de TI. Qual é o Backbone, qual é o túnel, o caminho, a estrada, para onde devem convergir todos os projetos para que não se dispersem. Então é necessário que haja clareza de qual é a nossa estrada. De que algum projeto, por mais importante que seja, ele tem que estar conectado, nesta estrada, nesta coluna vertebral para que não nos dispersemos.

O Presidente do Conselho, Luiz Antônio Athayde Vasconcelos agradeceu a a presença de todos e deu por encerrada a reunião. Belo Horizonte, 25 de janeiro de 2022.

Pela Secretária Juliane Vidigal Maciel Viana

Compartilhe

Receba novidades por email

Assine nosso informativo

Não enviamos Span, apenas as última novidades.

Mais Lidos

Veja mais: