Vantagem competitiva

Vantagem competitiva

 

Adão de Matos Junior

 Sócio da Bolster Consultancy e membro do Conselho das Micro e Pequenas Empresas da ACMinas

 

        2019 ainda é um ano de expectativas, mas, ao mesmo tempo, marcado por crises internas e internacionais, com turbulências que vêm impactando as empresas, não poucas vezes, de maneira profunda. Buscou-se, diante dos cenários, redução de custos que, em casos mais extremos,  incluíram demissões de funcionários. Mesmo assim, a economia brasileira neste ano, de acordo com a edição de 29 de agosto do boletim Focus, do Banco Central, apontava que o PIB brasileiro no segundo trimestre,  surpreendendo positivamente analistas do mercado financeiro, havia registrado um crescimento de 0,4% e projetava uma expansão de 1% na comparação com o mesmo período do ano passado. Ambos os resultados ficaram acima das expectativas, que, segundo pesquisa com analistas ouvidos pela Reuters com analistas, apontavam alta de 0,2% na base trimestral e de 0,7% na anual. O crescimento de 0,4% foi também o maior, para segundos trimestres, desde 2013.

             Parte destes aspectos positivos se origina do trabalho dos empresários que, mesmo com as diversas dificuldades que vêm enfrentando, ajudaram, e muito, na colocação do País nesta posição. E isto, em boa parte, devido às micro e pequenas empresas que, hoje, representam 99% do total de empresas privadas no Brasil e respondem por 27% do Produto Interno Bruto, somatória dos bens e serviços produzidos no país. Este segmento é responsável, ainda, por 55% do total de empregos formais existentes no país.

             Neste período, as empresas de consultoria e capacitação puderam introduzir várias mudanças no dia a dia das organizações, sem que estas perdessem identidade, e colaboraram ativamente para as adaptações aos  processos legais exigidos das organizações em um momento particularmente delicado em sua atuação.

             Há de se reconhecer que quem procurou orientação por meio de consultorias ou da própria capacitação encontrou menores dificuldades em se adequarem. Num mundo altamente diversificado e verticalizado, situações drásticas se tornam menos espinhosas para quem busca saída por intermédio de instituições dotadas de “expertise” diferenciada e interesses comuns na manutenção de negócios e parcerias.

             Também ficou clara a vantagem competitiva daqueles empresários que buscaram a sua capacitação e também a importância de terem, cada vez mais, seus processos desenvolvidos e seu futuro projetado. Que venha 2020,  pois os olhos sempre devem estar no futuro.

  

*Adão de Matos Junior é sócio da Bolster Consultancy  e membro do Conselhos das Micro e Pequenas Empresas da Associação Comercial do Estado de Minas Gerais.

 

E-mail: adao.matosjr@bolsterbrasil.com

 

 

Compartilhe

Receba novidades por email

Assine nosso informativo

Não enviamos Span, apenas as última novidades.

Mais Lidos

Veja mais: