A terceira guerra mundial

José Anchieta da Silva – Presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas

Na guerra se tem a presença de um inimigo comum, indomável. Vencerá aquele que for mais forte. A humanidade, desde o reveillon de 2019/2020, convive com a Covid-19, declarado pela acreditada OMS como pandemia. Deflagrada estava a terceira guerra mundial. Não se ganha guerra com discursos políticos e nem com notícias desencontradas, fazendo o jogo do adversário: o vírus. Exército algum terá sucesso na guerra sem a necessária disciplina. Se o adversário é apenas o vírus, é dever de cada general, assim como de toda tropa, reconhecerem que as batalhas, todas, se darão com obediência à um mínimo de organização. Portanto, à Brasília o que é de Brasília, aos Estados o que é dos Estados e aos Municípios o que é dos Municípios. É preciso debelar a pandemia. Discurso e desinteligência entre autoridades não expulsa o coronavírus de nossas campanas (de nossos lares).

Nessa batalha sem trégua é indispensável que cada um de nós, soldados compulsoriamente recrutados para a luta, nos recolhamos às trincheiras de nossos lares. É preciso lavar as mãos e ter sempre à mão, um ‘cantil’ de álcool em gel ou outro desinfetante. Esse comportamento será uma contribuição e tanto. É tempo de home office. Sair de casa e participar de aglomerações é ato de deserção, é fazer o jogo do perigoso adversário, tornando-se vítima fácil. Nas aglomerações está a praça de guerra de preferência desse insidioso adversário que, com sua guerra-de-guerrilha, quer a todos contaminar.

O exército de pessoas de bem tem uma tarefa a mais: convencer os negacionistas, informando-lhes que o seu proceder retarda a vitória sobre o adversário, porque retarda a vacinação e diminui a sua capacidade de imunização, encarece a guerra e aumenta o número de vítimas. O vírus não conhece ideologias e nem perde tempo com esse tipo de coisa; pelo contrário, sabe como ninguém tirar partido da pregação desses arautos do apocalipse. Sentido não tem desdenhar a ciência, responsável pela descoberta de vacinas (o que já se demonstram exitosas) e da cura que virá. Na mistura de política com ciência, quem se ridiculariza é a primeira.

Especialmente quanto à ação do Estado (União, Estados e Municípios), não é aceitável que se cogite de outra prioridade que não o debelar definitivamente a Covid-19.      Nessa guerra, a atenção do Estado deve voltar-se para as pessoas e deve, nesse cuidado, incluir o bem organizado ‘sistema de empresas’ brasileiro. São essas que, funcionando, geram empregos e impostos, assegurando a existência (subsistência) do próprio Estado. As autoridades precisam, na busca de soluções, ouvir os segmentos produtivos. O simples fechamento (lockdown) de estabelecimentos é modelo que ou já se esgotou ou demonstrou que as suas desvantagens acabam sendo maiores do que as vantagens que dele pudesse decorrer, pelo menos em termos empresariais.

O inimigo comum ainda não bateu em retirada e nem dá sinais de fadiga; portanto, é urgente, indispensável um mutirão em torno da vacinação de cada brasileiro. Será com a vacina que nascerá um outro Brasil, uma outra sociedade, um outro Estado, mais real, mais justo, mais organizado, mais ético. É fundamental que se unam, servidores públicos, autoridades, empresários e povo, todos despidos de privilégios. A Revolução francesa colocou no horizonte da humanidade três valores excepcionais: liberdade, fraternidade e igualdade. Do primeiro cuidou a Constituição de Ulisses. Do segundo tem cuidado a moral religiosa. Falta bem cuidar do valor, da igualdade. O fosso da desigualdade está aumentando. Através do diálogo, num grande ‘pacto’, será possível construir um Brasil de verdade. Um Brasil com direito de sonhar com o futuro.

Há, para fechamentos, soluções intermediárias mais inteligentes e que, não propiciando aglomerações, proporcionarão funcionamento integrado de vários fazeres diários. O Brasil é um país tropical e é preciso oferecer à sociedade, um projeto de funcionamento de nossas metrópoles durante vinte e quatro horas por dia. O êxito desse projeto proporcionará a certeza de um ‘fechamento nunca mais’. A Associação Comercial e Empresarial de Minas já está trabalhando neste projeto que, brevemente, oferecerá à sociedade brasileira.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.