Dia das Mães promete marcar início da recuperação para o comércio

Isabela Bernardes*
Shoppings de BH optaram por cupons de sorteios para garantir alta nas vendas (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

O Dia das Mães está próximo e a data promete ser o início da recuperaçãoeconômica para o comércio varejista. O período afeta positivamente 66,3% das empresas de Minas Gerais, segundo levantamento divulgado pela Fecomércio- MG. 

Para a pesquisa, foram avaliadas 312 empresas, sendo pelo menos 29 em cada região de Minas. Segundo a Fecomércio-MG, a data só perde para o Natal, mas garante alta nas vendas, principalmente para as lojas de calçados, vestuário, decoração e casa, perfumaria e assessórios pessoais.

Dos entrevistados, 23,2% estão esperançosos com as vendas, entretanto, aproximadamente 58,8% dos empresários avaliam a pandemia e a crise econômica como motivos para acreditar que o faturamento será ainda pior que no ano passado.
Mesmo sendo comemorado durante a pandemia pelo segundo ano consecutivo, o Dia das Mães é motivo de esperança para o varejo nacional.

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), R$ 12,12 bilhões devem ser movimentados no período, uma recuperação de 46,7%, contra uma redução de 33,1% em 2020.

Em Minas Gerais, a expectativa é que a data gere R$ 1,13 bilhão em vendas neste ano.

Entre os segmentos que mais faturam neste período, estão: artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (72,2%); supermercados, hipermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (70,5%); livros, jornais, revistas e papelaria (70,0%); tecidos, vestuário e calçados (68,1%) e móveis e eletrodomésticos (66,7%).
Muitas promoções são observadas na maioria das lojas e shoppings. De acordo com a pesquisa, 40,6% das lojas adotaram as liquidações como estratégia de vendas. Além disso, outras 36,2% garantiram melhora com propagandas e divulgações e 6,8% utilizam as redes sociais para estabelecer mais confiança com os consumidores e melhorar as vendas.

Consumidores e ofertas em BH

Em um levantamento realizado pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), a maioria dos consumidores belo-horizontinos pretende comprar à vista, para minimizar as chances de endividamento.

Cerca de 73,4% dos entrevistados vão optar por esse método de pagamento.

Em um ano de economias, 51,8% dos consumidores vão comprar somente um item para presentear as mães, sendo que na capital mineira as roupas são a principal opção de aquisição.

Além do vestuário, produtos cosméticos, calçados e flores aparecem como intenção de presente. A expectativa de gastos está em torno dos R$ 104,52.

Para o especialista e empresário em negócios Gérlio Soares Figueiredo, a aposta do comércio é o Dia das Mães e existe muita confiança, tanto para empresários, quanto para os consumidores.
As ofertas de produtos on-line, com exposição nos sites e redes sociais, é uma indicação do especialista para alavancar as vendas, por meio de um atendimento mais humanizado: “O cliente vai sentir que comprando ali, a mãe pode gostar do presente, porque ele já gostou do atendimento”, disse Gérlio.

Leia mais: Estado de Minas|Expectativa de Vendas| 06/05/2021

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.