Economia se recupera das últimas crises só em 2023, estima Austin Rating

No cenário pessimista, só em 2028

 Pandemia impactou economia brasileira em 2020Sérgio Lima/Poder360
Sérgio Lima/Poder360

PIB será divulgado na 4ª feira

A pandemia de covid-19 piorou as condições financeiras e o Brasil só retomará o nível de atividade econômica de 2013 em 2023, estima a Austin Rating. Cálculos da agência de risco com base nas projeções do mercado financeiro indicam que o país vai demorar 10 anos para superar os impactos da recessão de 2014 a 2016 e a crise sanitária de 2020.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) vai divulgar na próxima 4ª feira (3.mar.2021) o resultado para o PIB (Produto Interno Bruto) do país. As projeções do mercado financeiro, segundo o Boletim Focus do Banco Central, indicam que a economia brasileira vai tombar 4,4% em 2020. As estimativas obtidas pelo Poder360 mostram que a queda será de 4% a 4,5%.

A Austin Rating utilizou como base de dados o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica) do Banco Central, que é considerado a prévia do PIB brasileiro. Em dezembro de 2013, antes da crise de 2014, o nível de atividade econômica chegou aos 148,74 pontos-base. De acordo com a autoridade monetária, caiu para 138,33 pontos-base em dezembro de 2020.

O nível de atividade do fim do ano passado indica que o país caiu 4,05% em comparação com 2019.

Os economistas e operadores do mercado financeiro avaliam que haverá crescimento de 3,29% em 2021, de 2,5% em 2022 e 2,5% em 2023. Considerando esse cenário, o nível de atividade econômica só vai voltar para o mesmo patamar de dezembro de 2013 em junho de 2023, ou seja, no próximo governo.

A Austin Rating também traçou cenários alternativos para a atividade econômica. No mais pessimista, de crescimento anual de 1%, a economia só retoma em abril de 2028 –ou seja, daqui a 7 anos. O mais otimista, de crescimento anual de 3% ao ano, o nível é atingido em julho de 2023.

HAMILTON FERRARI (Poder 360)

01.mar.2021 (segunda-feira) – 6h00

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.