EUA firmam maior contrato com empresa para fabricação de vacina: US$ 1,6 bilhão

Por: Elizabeth Cohen e John Bonifield, da CNN

O programa de vacina contra a Covid-19 dos Estados Unidos — chamado Operação Warp Speed — anunciou nesta terça-feira (7) o maior contrato já feito pelo governo para combater a pandemia: US$ 1,6 bilhão com a Novavax, uma companhia de biotecnologia de Maryland.

O presidente e CEO da empresa, Stanley Erck, disse em entrevista à CNN nessa segunda (6) que a vacina da Novavax pode estar no mercado no primeiro trimestre de 2021.

A Novavax é a quarta companhia a receber fundos federais para conduzir testes clínicos da Fase 3 em grande escala e fabricar uma vacina contra o novo coronavírus. Cada teste deve ser feito com 30 mil pessoas.

Em maio, o governo deu mais de US$ 1,2 bilhão à gigante farmacêutica AstraZeneca para o desenvolvimento de uma vacina. Moderna e Johnson & Johnson também firmaram contratos da Fase 3.

Os dados dos testes clínicos da Fase 1 da Novavax, conduzidos em 131 pessoas, devem sair no fim deste mês, afirmou Erck. Ele espera que a Novavax comece os testes da Fase 3 no último trimestre do ano ou no fim de setembro.

A Moderna espera iniciar seus testes da Fase 3 ainda neste mês. Alguns participantes dos estudos vão receber a vacina e outros, placebo ou uma injeção que não faz nada no organismo.

O pacote de recursos que a Novavax recebeu vai permitir que a empresa teste a vacina e aumente a produção logo após uma possível aprovação dos órgãos de controle, com o objetivo de entregar 100 milhões de doses até fevereiro, segundo Erck.

Como a vacina age no corpo

A vacina da companhia contém uma pequena porção do novo coronavírus, chamada proteína spike, que fica no topo do vírus. O objetivo é enganar o sistema imunológico, fazendo-o pensar que a spike é, na verdade, todo o vírus. O sistema imunológico cria uma resposta, que será usada posteriormente para atacar o vírus real.

“Acho que temos um alto nível de confiança de que nossa vacina desencadeará a resposta imunológica apropriada para gerar vários anticorpos”, explicou Erck.

A Novavax usou a mesma tecnologia para fabricar possíveis vacinas para o ebola e a influenza. A companhia ainda estuda essas substâncias em humanos e nenhuma delas está no mercado no momento.

Erck disse que está “otimista” com o trabalho da Novavax e que sua equipe trabalha “24 horas por dia, 7 dias por semana” na vacina. “Todos entendem a importância do que estamos fazendo.”

Em junho, a empresa anunciou um contrato de US$ 60 milhões com o Departamento de Defesa dos EUA para entregar 10 milhões de doses ao órgão.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em inglês.)

CNN | 07 de julho de 2020

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.