Onda roxa é prorrogada por uma semana na maior parte do Estado

Por Juliana Siqueira

As medidas mais restritivas estão mantidas em 12 das 14 macrorregiões de saúde | Crédito: REUTERS/Pilar Olivares

 

Por pelo menos mais uma semana, a onda roxa, classificação do programa Minas Consciente que abrange as medidas mais restritivas relacionadas ao combate à Covid-19 em Minas Gerais, deverá ser seguida em 12 das 14 macrorregiões de saúde do Estado. A decisão foi tomada ontem pelo Comitê Extraordinário Covid-19.

O anúncio sobre a onda roxa também dá conta de que a macrorregião de Saúde Triângulo Sul e as microrregiões de Taiobeiras, Montes Claros/Bocaiúva e São Gotardo poderão passar para a onda vermelha – menos rígida – na próxima segunda-feira (12) caso o monitoramento feito até amanhã (9) não indique piora dos números relacionados à contaminação da doença.

Já o toque de recolher, que limitava a circulação de pessoas entre as 20h e 5h, por sua vez, foi finalizado. Entretanto, foram tomadas medidas mais rígidas que impactam os setores de bares e restaurantes, com a proibição da retirada dos produtos em balcão, das 20h às 5h.

Diante de todo esse cenário de prorrogação da onda roxa na maior parte do Estado, representantes de entidades consultadas pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO destacaram a importância de medidas governamentais para que seja possível reverter toda essa situação. Exemplos disso, de acordo com eles, são uma maior fiscalização de aglomerações e a viabilização de recursos para os empresários.

“As prefeituras têm de fiscalizar fortemente a realização de festas, por exemplo. Estamos em uma situação muito crítica. A prorrogação da onda roxa é algo complicado. Se os infectologistas apoiam, não tem porque não apoiarmos. Mas os governos precisam ser mais rígidos na parte da fiscalização para sairmos mais cedo dessa situação”, aponta o superintendente da Associação dos Lojistas de Shopping Centers de Minas Gerais (AloShopping), Alexandre França.

Presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas), José Anchieta ressalta a relevância de o Estado viabilizar recursos e caminhos para os empresários, que precisam de capital de giro para sobreviver.

*Por Juliana Siqueira

Leia mais: Diário do Comércio | Política| 08/04/2021

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.