Pressionado pelos alimentos, IPCA apresenta alta de 0,89% em novembro

Por: Leonardo Faria Lima – Economista ACMinas

O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) obteve alta de 0,89% em novembro, acréscimo de 0,03 pontos percentuais (p.p.) em relação a outubro (0,89%).

No ano, o IPCA apresenta variação de 3,13% e, nos últimos 12 meses de 4,31%. Isto é, o índice está acima da meta inflacionária estipulada pelo Conselho Monetário de Nacional (CMN) para 2020 – 4% com margem de tolerância de 1,5 pontos percentuais para baixo ou para cima (2,5% e 5,5%).

Grupo de produtos e serviços

Dos noves grupos de produtos e serviços analisados pelo IBGE, sete obtiverem alta em novembro. A maior variação (2,54%) e o maior impacto (0,53 p.p.) são oriundos do grupo Alimentação e Bebidas. No ano, os preços dos Alimentos apresentam uma forte variação de 12,14%.

Nos últimos meses, os Alimentos foram os grandes vilões da inflação. A elevação dos preços do grupo é justificada, especialmente, por dois fatores: 1) desvalorização cambial, fator que alavanca as exportações do setor, e consequentemente gera o desabastecimento do mercado interno; 2) o aumento da demanda doméstica, impulsionada pelos auxílios governamentais;

A segunda maior contribuição (0,26 p.p.) para a formação do indicador veio dos Transportes. Os preços do grupo apresentaram alta de 1,33% no mês de novembro.

Resultado por grupo de produtos e serviços

Alimentação e bebidas: 2,54%;
Transportes: 1,33%;
Artigos de residência: 0,86%;
Habitação: 0,44%;
Comunicação: 0,29%;
Vestuário: 0,07%;
Despesas pessoais: 0,01%;
Educação: -0,02%;
Saúde e cuidados pessoais: -0,13%;

Regiões

Todas as regiões pesquisadas apresentaram alta no período. A maior variação foi registrada no município de Goiânia (1,41%) e a menor em Brasília (0,35%).

Perspectivas mercado financeiro

O mercado financeiro acredita que a inflação medida pelo IPCA finalizará 2020 com alta de 4,35%. Isto é, acima da meta inflacionária (4%), mas dentro na margem de tolerância (de 2,5% a 5,5%).

Para 2021 é projetada uma variação de 3,34%. Percentual aquém da meta estrutura para o período, 3,75% com limite entre 2,25% e 5,25%.

A importância do controle inflacionário

O controle da inflação garante a manutenção do poder de compra da moeda. Ele é a principal política de social de um país, porque reduz as incertezas sobre o futuro e garante o bem-estar dos agentes econômicos (famílias, empresas, governo e agentes externos).

A manutenção do poder de compra protege uma das funções da moeda, que é ser reserva de valor, em outras palavras, ela salvaguarda a possibilidade de poupar / acumular recursos financeiros para uso futuro.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.