Ribeirão das Neves moderniza iluminação

Por: Daniela Maciel

 

Assim como o consumidor comum, as cidades também precisam se preocupar com a conta da energia elétrica e com a responsabilidade ambiental e social no uso da energia. Em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), a prefeitura, desde o final de 2019, vem fazendo a troca das lâmpadas de mercúrio pelas de tecnologia Led. Até agora, dos 26.695 pontos de iluminação da cidade, 15.854 foram atendidos. Isso representa 59% do total.

A ação é realizada pelo Consórcio IP Minas – formado pelas empresas Quantum Engenharia e Fortnort Desenvolvimento Ambiental e Urbano – que venceu a licitação de uma parceria público-privada (PPP) promovida pela prefeitura em agosto de 2019, com lance de R$ 717.867,50 mensais para um contrato de 30 anos, o que significa um total de R$ 258.432.300,00. O contrato foi assinado em novembro, sendo que o consórcio entrou em operação em 18 de dezembro, quando foi publicada a ordem de serviço autorizando o início dos trabalhos.

De acordo com o gerente do IP Minas, Jolimar Costalonga Grancer, em paralelo a esse trabalho de manutenção, as equipes do IP Minas também estão promovendo a modernização do sistema. Dos 8.800 pontos que devem ser modernizados com lâmpadas Led no primeiro ano do contrato, 4.107 já receberam a tecnologia, o que significa 47% do total estipulado.

“Essa é uma PPP de performance, com 32 parâmetros a serem atendidos, desde o número de trocas de equipamentos obrigatórias por ano até economia mínima de 45%. Além de todos esses padrões objetivos, o que levamos, em primeiro lugar, para a população é melhor qualidade de vida, aumentando o grau de luminescência, ou seja, deixando as ruas e espaços públicos mais ‘claros’, gerando uma sensação de segurança. Além das ruas, temos metas a serem cumpridas com a chamada iluminação de destaque, que é instalação onde não havia nenhum tipo de iluminação”, explica Grancer.

A PPP prevê a prestação de serviços de modernização, otimização, eficientização, expansão, operação e manutenção da infraestrutura da rede de iluminação pública na cidade. Essa eficientização energética do sistema público de iluminação evita o desperdício de energia, resultando em redução dos custos do município com energia elétrica. Isso acontece porque, entre os benefícios da tecnologia Led, está o consumo 50% menor do que as lâmpadas tradicionais. Ainda amplia a segurança para moradores, pede stres e motoristas, devido à emissão de luz branca, que permite uma percepção mais fiel das cores e contornos.

Ganhos ambientais – “Existe, também, os ganhos ambientais na troca de uma tecnologia pela outra. Temos a própria economia de energia que leva à economia de água e, com isso, a não necessidade de ligamento das termelétricas na época de estiagem; a redução do consumo de mercúrio com a não utilização das lâmpadas de mercúrio, assim como o menor descarte desse mesmo material. A maior durabilidade do equipamento também reduz o consumo de alumínio e com isso a menor necessidade da mineração de bauxita e beneficiamento desse minério, que é de alto consumo energético. Claro que estamos falando de uma pequena contribuição, pois estamos trabalhando em um município, mas esse exemplo pode ganhar escala na medida que mais cidades passem a adotar a mesma metodologia”, pontua.

Outro ponto destacado pelo executivo é a contratação de mão de obra local. Para atender a demanda, até agora, foram treinadas 30 pessoas e 16 já foram empregadas. A ideia é criar um banco de talentos e, além de contribuir com a economia local, gerando postos de trabalho, criar um sentimento de pertencimento entre a comunidade e as ações realizadas pelo consórcio.

Mais uma forma de contribuir com a economia local é a doação do alumínio presente nas luminárias que foram retiradas. Vinte famílias de catadores de material reciclável cadastradas estão sendo beneficiadas.

“Poderíamos trazer mão de obra já treinada, mas entendemos que se vamos ficar aqui durante 30 anos, pelo menos, devemos fazer parte de sociedade local, entender as suas necessidades e desejos. Ao formar e absorver a mão de obra local, criamos uma comunidade que entende e ajuda a cuidar de tudo que está sendo feito. Ribeirão das Neves é uma cidade estigmatizada por vários fatores, mas, por menor que seja, queremos dar nossa contribuição para mudar isso”, completa o gerente do IP Minas.

Jornal Diário do Comércio | 28 de outubro de 2020

 

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Posts recentes

Siga a ACMinas

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.