Isenção de ir assegurada pela justiça a homem com visão monocular

Elaborado pelo Assessor Jurídico – Marco Aurélio Bicalho de Abreu Chagas

Juíza do RJ também condenou a União a restituir os valores já retidos.

A juíza Federal substituta Karina de Oliveira e Silva, do 3º JEF do RJ, concedeu isenção de IR a um homem com visão monocular. Além disso, a magistrada lhe assegurou a restituição dos valores já retidos.
Um homem ajuizou ação em desfavor da União e do INSS pedindo a isenção do IR, após receber resposta negativa da autarquia do referido pedido, mesmo sendo pessoa com cegueira monocular.

Ao apreciar o caso, a magistrada explicou que as leis que tratam das possibilidades de concessão da isenção do tributo – lei 8.541/92 e 7.713/88 – trazem a enfermidade que acomete a parte autora (cegueira) como uma causa de isenção de pagamento de imposto de renda por parte das pessoas físicas.

Para a juíza, resta mais do que comprovada a enfermidade do homem, havendo farto material probatório nesse sentido. Assim, julgou procedente o pedido de suspensão dos descontos referentes a imposto de renda na fonte dos proventos de aposentadoria da parte autora e condenou a União a restituir os valores que foram retidos a título de IRPF de fevereiro de 2018, data do laudo médico que comprova seu diagnóstico.

O processo transitou em julgado em setembro deste ano.

Processo: 5044899-28.2020.4.02.5101
Veja a decisão.

Fonte: https://migalhas.uol.com.br/quentes/337551/homem-com-visao-monocular-assegura-na-justica-isencao-de-ir