As Regiões de Minas

As Diversas Regiões de Minas Gerais

Em virtude da extensão territorial (586.520 km²) e número de municípios (853), Minas Gerais divide-se em 12 mesorregiões, com características culturais, climáticas e geográficas diversas. Cada uma delas se desenvolveu de maneiras diferentes, como destacado a seguir:

  1. Campo das Vertentes
  2. Central Mineira
  3. Metropolitana de Belo Horizonte
  4. Noroeste de Minas
  5. Norte de Minas
  6. Oeste de Minas
  7. Sul de Minas
  8. Triângulo Mineiro
  9. Vale do Jequitinhonha
  10. Vale do Mucuri
  11. Vale do Rio Doce
  12. Zona da Mata

Campo das Vertentes

Região que apresenta como base econômica a pecuária, por mais que ainda existam atividades industriais na região, principalmente em Barbacena e Lavras, que comportam empresas do segmento de cimento, minerais não metálicos, autopeças, alimentício e calçados.

O turismo é crescente na região, principalmente nas cidades de São João Del Rei e Tiradentes, que recebem quantidades crescentes de turistas atraídos pela riqueza histórica e arquitetônica dessas cidades do período colonial brasileiro. Outro ponto importante para atrair o turismo para a região são as atrações culturais e o ecoturismo.

Central Mineira

Essa região é responsável pela maior parte do minério de ferro extraído em Minas Gerais, sendo explorado por grandes empresas, como a Vale S/A e a CSN. Existem, também, outros minerais metálicos e não metálicos que são explorados e processados na região. Nesse grupo, podem-se identificar empresas como a produtora de ouro AngloGold Ashanti, as cimenteiras Brennand Cimentos, Cimentos Liz e Lafarge-Holcim, a produtora de cal Mineração Lapa Vermelha e a RHI Magnesita, produtora de refratários.

Metropolitana de Belo Horizonte

A Região Metropolitana de Belo Horizonte tem destaque no setor de serviços, o que decorre do fato de Belo Horizonte ser a capital do estado e o maior centro comercial, financeiro, educacional e médico do estado.

A abundância de matérias-primas na área possibilitou o surgimento e o crescimento de um parque metalúrgico expressivo no entorno de Belo Horizonte, com muitas indústrias voltadas à produção de ferroligas, peças fundidas, aço, bens de capital e produtos diversos, somados ao segundo maior polo automotivo do Brasil.

Cabe destacar também o cluster de Biotecnologia e Ciências da Vida existente na RMBH, que é um dos dois maiores do país em número de empresas. Embora a maioria das empresas deste cluster seja de pequeno porte, algumas se sobressaem nesse cenário e se destacam nacionalmente nos segmentos nos quais atuam, como é o caso do Laboratório Hermes Pardini, St. Jude Medical, Belfar Indústria Farmacêutica, Hyporfarma, Hipolabor e Ceva Brasil.

Noroeste de Minas

O Noroeste de Minas apresenta grande vigor no que diz respeito ao agronegócio. A região apresenta o maior potencial de expansão das atividades agrícolas e pecuárias de todo o estado. Sobre o setor industrial, as principais empresas são do ramo da agroindústria e da extração mineral, focada no ouro e no zinco. Algumas delas são a WD Agroindustrial, Bioenergética Vale do Paracatu, Cooperativa Agropecuária de Unaí Ltda., Cooperativa Agropecuária Vale do Paracatu Ltda., Kinross Gold e Nexa Resources.

Norte de Minas

A região Norte apresenta extensas áreas cobertas por pastagens destinadas à criação de gado, sendo um setor importante para a região. Há também grandes plantações de florestas para produção de carvão vegetal, além de um grande polo de produção de frutas, graças ao Rio São Francisco e seus afluentes que cortam a região.

O Norte de Minas também possui importantes clusters ceramistas e de confecções, produção artesanal de cachaça, especificamente em Salinas, cidade reconhecida internacionalmente pelos apreciadores dessa bebida pela elevada qualidade de sua produção.

Esta região se destacou em empreendimentos voltados para a produção de energia renovável fotovoltaica. As companhias Portal Solar e Brookfield Energia Renovável construirão o maior parque de energia solar das Américas, que será instalado na região. A produção de energia do projeto abastecerá mais de 1,2 milhão de famílias e está previsto para entrar em operação em 2023.

Oeste de Minas 

O ponto forte da Região Oeste de Minas são os Arranjos Produtivos Locais (APL’s). O mais relevante deles é composto por cerca de 1200 empresas situadas principalmente no município de Nova Serrana e seus arredores. O APL de Nova Serrana é o principal polo calçadista mineiro e um dos três principais do país e é formado, basicamente, por micro e pequenas empresas.

Algumas das maiores empresas do Oeste de Minas pertencem ao APL de fundição – situadas em Divinópolis, Itaúna e Cláudio – e a outros setores integrantes da indústria metalúrgica. Nos municípios circunvizinhos a Arcos, a indústria extrativa mineral é voltada, principalmente, à exploração de calcário, de grande importância para a economia regional.

Em um belíssimo parque nacional situado na Serra da Canastra, município de São Roque de Minas, encontra-se a nascente do Rio Francisco, um dos mais importantes do Brasil e indispensável para o suprimento de água e energia elétrica da Região Nordeste.

Sul de Minas

O Sul de Minas é a principal região produtora de itens agropecuários do estado, contribuindo com mais de 20% para a geração do PIB desse setor em Minas Gerais. A produção de café é a atividade agrícola mais importante. A região é responsável por cerca de 25 % de toda a produção brasileira dessa commodity.

A região beneficia-se do fato de ser localizada entre as três principais metrópoles brasileiras. Esse fato influencia a economia, que é polarizada pela megalópole paulista (RMSP), mas que recebe estímulos também das regiões metropolitanas do Rio de Janeiro (RMRJ) e de Belo Horizonte (RMBH).

Triângulo Mineiro

O Triângulo Mineiro destaca-se por ser o maior produtor de cereais do estado e tem grande força no setor sucroalcooleiro, processando a maioria da produção de açúcar e álcool do estado. Além disso, o Triângulo conta com o maior rebanho bovino do estado e a segunda maior colheita de café.

O principal polo produtor de fertilizantes fosfatados do Brasil localiza-se, também, no Triângulo, especialmente em Uberaba. Essa produção fica a cargo da empresa Mosaic, que opera tanto em Uberaba como em Tapira, Patrocínio e Araxá.

A cidade de Uberlândia sedia importantes atacadistas, que estão entre os maiores do Brasil, como Martins, União e Peixoto. É o maior centro logístico do interior do País devido à sua posição geográfica central entre os principais centros produtores e consumidores.

Vale do Jequitinhonha

O Vale apresenta grandes oportunidades no setor de extração mineral, exploradas pela Cia. Nacional de Grafite e de Lítio por meio da Campanha Brasileira de Lítio (CBL). Embora haja aproveitamento já em curso do lítio pela CBL, as reservas do mineral existentes na área revelam potenciais para melhor exploração.

O Vale do Jequitinhonha apresenta a maior concentração de núcleos de agricultura familiar do estado, comportando cerca de 78 mil agricultores, o que equivale a 9% da produção do estado.

Outro destaque importante são os investimentos da empresa Sigma Mineração para a extração de lítio na região. A soma dos investimentos desta empresa ultrapassa R$ 1,2 bilhão e a previsão é que este projeto gere mais de 6 mil empregos.

Vale do Mucuri

O território do Mucuri ocupa uma área de 23,2 mil km², com 27 municípios e população de 370 mil pessoas. O rio Mucuri é componente das bacias hidrográficas dos rios Doce, São Mateus, Itanhém, Jequitinhonha, Peruípe, Itaúnas e alcança 60% dos municípios da região.

O Governo de Minas iniciou um plano de desenvolvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais, que prevê um investimento de R$ 1,43 bilhão e geração de 143 mil empregos. O principal destino desse investimento são obras de infraestrutura, como pavimentação de rodovias e ampliação da rede de distribuição de energia.

Vale do Rio Doce

As principais empresas instaladas no estado ficam na região, como a siderúrgica Usiminas, a Aperam South América e a Celulose Nipo-Brasileira S/A (Cenibra). A grande disponibilidade de insumos siderúrgicos é um importante fator para o adensamento da cadeia produtiva da metalurgia e este contexto propicia a aplicação de grandes avanços, aperfeiçoando o setor.

Vale ressaltar a presença das empresas processadoras de inox, que usam a matéria-prima fornecida pela Aperam South América, única produtora da América Latina de aços planos inoxidáveis e siliciosos.

Zona da Mata

Os segmentos industriais mais representativos da região são metalúrgico, têxtil e confecções, moveleiro e alimentício. A indústria da Zona da Mata se desenvolveu a partir da instalação de fábricas de fiação e tecelagem. Atualmente, a cadeia têxtil e de confecções continua a exercer importância para muitos municípios da região.

Quanto à cadeia metalúrgica, incluindo material de transportes, a Zona da Mata conta com grandes unidades produtivas das empresas Votorantim Metais Zinco, ArcelorMittal Brasil, Codeme Engenharia S/A, Dow Corning Silício do Brasil S/A, além da unidade da montadora Mercedes Benz, em Juiz de Fora.

O governo de Minas Gerais anunciou para a Zona da Mata um plano de retomada econômica que vai destinar cerca de R$ 50 milhões em investimentos para as cidades da região. O foco principal do plano de retomada é criar um ambiente favorável para a geração de empregos e atração de investimentos. O plano promete desburocratizar o ambiente de negócios e prevê obras em diversas cidades.

Compartilhe
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram

Insigne

Curabitur non nulla sit amet nisl tempus convallis quis ac lectus.

Services

Head Office