O que é design thinking? Como eu posso me beneficiar dessa abordagem?

O design thinking nada mais é do que a tentativa de levar as metodologias e práticas do designer (o profissional que lida com o design) na criação e na resolução de problemas para conhecimento e para atuação nas mais diversas áreas.
O que a abordagem do designer frente aos problemas tem de diferenciada a ponto de ser levada para outros espaços de trabalho? O designer é ensinado a criar uma espécie de instinto que pensa criativamente seus desafios e procura contemplar todas as arestas que devem ser cobertas e as necessidades a serem preenchidas em cada um de seus projetos.

Por que pensar assim é fundamental para as empresas?

Por trás de toda execução, de toda função, de todo projeto, certamente existe um pensamento, não é verdade? Para que eles tenham um conceito e um resultado final eficiente, eles precisam ser melhor pensados.
No design thinking, três olhares são fundamentais: um para o ser humano, um para o mercado e um para as soluções tecnológicas.

O olhar para o ser humano

A razão do designer é sempre guiada pelo intuito de atender às demandas do ser humano: do cliente, do usuário. Nada pode ser mais importante do que atender às expectativas e criar uma experiência agradável aos usuários de qualquer produto ou serviço. Essa é uma diretriz fundamental em um mercado cada vez mais competitivo e mais especializado.
Temos, por exemplo, os designers de ambiente, que são desde o início de suas formações propelidos e ensinados a pensar no espaço para o ser humano primeiramente. Sempre. Acessibilidade, conforto e ergonomia são palavras-chave e conceitos primários que esses profissionais devem internalizar e trabalhar com desenvoltura em seus ofícios.

A constante luta por inovação

A inovação, como já dissemos anteriormente aqui neste blog, depende muito do conhecimento. Quanto mais você aprende e conhece sobre o seu próprio negócio e produtos, sobre o mercado e sobre a sua área, maiores são as suas possibilidades de ter ideias criativas e inovadoras.
Descobrir os caminhos por onde inovar depende não só de conhecimento técnico e teórico, amplamente valorizados em abordagens de design thinking, como também de entender os melhores caminhos por onde iniciar os esforços. Para isso, você deve fazer avaliações do seu próprio negócio como a SWOT ou a 5W2H como mencionamos neste outro texto.

Quais as perguntas fundamentais em um processo de design thinking?

Design thinking, obviamente, não é uma ideia consolidada de forma uníssona, mas um bom e comumente utilizado norteamento para a organização das ideias que pretendem resolver seus problemas e nortear seu processo de criação e inovação é fazer perguntas como:
– O que a equipe sabe sobre o problema a ser resolvido?
– Como vocês pretendem chegar a uma solução?
– O que você e a equipe levaram em consideração que ninguém mais notou anteriormente?
– Como a sua solução vai ser diferenciada e agregar para o usuário?
Agora que já temos as diretrizes do trabalho do design thinking, vamos conferir alguns modos de, de fato, colocá-lo para funcionar.

Como colocá-lo em prática

design thinking
São muitas as formas de colocar em perspectiva todas as ideias obtidas no processo para serem avaliadas e levadas a frente.
Além do típico pensamento fora da caixa dos designers, você deve selecionar as ideias obtidas em seus brainstorms na maior variedade possível pela maior quantidade de tempo possível, afinal, pelo menos algum traço de uma ideia pode acabar sendo bastante útil.
A anotação das ideias em post-its colocadas em perspectiva para que sejam votadas por toda a equipe participante no processo de criação é uma ótima ideia, pois dá voz a toda a equipe, que tem uma maior possibilidade de optar por uma solução que seja viável.
Todavia, não trabalhe apenas uma ideia. O ideal é trabalhar a ideia que seja mais criativa e sua preferida, mas também é preciso ter na manga alguma mais racional e outra mais provável de ser aprovada. Assim você terá trunfos independentemente de qual seja a opção do cliente, e poderá, também, em muitos casos, argumentar a utilização de um pouco de cada uma das ideias para fortalecer um ponto que você ache fundamental que seja aplicado.

Testando as novidades em protótipos

Designers sempre esboçam seus projetos em protótipos para testá-los ou simulá-los. Isso é excelente, assim você pode ter alguma ideia do uso e da aplicabilidade das novas ideias e insights, além de testar a eficiência delas na realidade. Outra característica típica do pensamento do designer é a busca por diversos meios diferentes de solucionar os problemas, oferecendo opções para a resolução de problemas.
É importante não ficar apegado ao protótipo, já que as ideias podem sempre ser melhoradas ou descartadas durante o processo de criação. A criação deve ser sempre feita pensando no usuário, portanto o apego com as ideias iniciais deve ser descartado.
O grande objetivo final da aplicação do design thinking é reunir todas as aptidões e diretrizes para alcançar, ao final, uma grande resolução de negócio. E ela só existirá se estiverem em ressonância os três pontos fundamentais: o olhar para o humano, o olhar para o mercado e o olhar para as melhores soluções ou auxílios tecnológicos. Por isso, esse é um conceito fundamental também para o seu negócio!
Gostou? Aplique o design thinking no dia a dia do seu trabalho! Continue acompanhando o Blog da ACMinas e até a próxima.

Assine nossa Newsletter

Receba nossa novidades em primeira mão por email.